Para sanar problemas com nomes das vias, Seplan apresenta projeto Rua Legal à Câmara

A meta é contar com os vereadores para aplicar três etapas de eliminação dos principais problemas em relação aos nomes das ruas

Por: Asseom - Foto capa ilustrativa

Rua Legal_cmd

A Secretaria de Planejamento, por meio do Departamento de Geoprocessamento apresentou aos vereadores da Câmara Municipal de Dourados os resultados dos levantamentos do projeto Rua Legal, que destacam a necessidade de regularização dos nomes das ruas douradenses, incluindo os distritos.

A meta é contar com a Câmara de Vereadores, detentora da prerrogativa de alterar as leis que determinam os nomes das ruas de Dourados, e aplicar as três etapas para eliminar os principais problemas em relação aos nomes, segundo o Geoprocessamento.

“Duas atuações que podem ser imediatas são votar leis que ratificam nomes consagrados de ruas e alterar dispositivos de leis já aprovadas para tornar ‘extendidas’ as ruas com um nome já estabelecido”, disse Carlos Dobes, diretor do Departamento de Geoprocessamento. Uma terceira etapa seria resolver os conflitos de nomes em 28 ruas.

Segundo ele, as maiores dificuldades com as divergências são com o Cartório de Registro quanto à Matrícula de Imóveis, dificuldades de entrega de correspondências e endereços usados pela população diferentes dos constantes nos cadastros da Prefeitura de Dourados.

Segundo Carlos Dobes, há 10 anos o projeto caminha com a construção de mecanismos para resolução de problemas relativos aos nomes de ruas, mas foi com a sensibilidade da prefeita Délia Razuk que passou a ganhar avanço este ano.

O levantamento identificou 607 ruas Legisladas (aquelas nomeadas através de lei com o objetivo de homenagear pessoas ou eventos), 72 ruas Consagradas (aquelas que existem desde a fundação do município, que homenageiam pessoas ou lugares históricos, consolidadas no Centro e que têm uso incorporado ao dia a dia da população) e 398 nomeadas por Projeto (que recebem nome quando da criação do loteamento, e tem nomes de frutas, animais, poetas ou ‘projetada’). Estas 398 são as passíveis de serem nomeadas por lei.

Os problemas identificados estão em 139 ruas que têm a necessidade de extensão do nome, ou seja, o nome dado à rua se limita a um trecho descrito na lei. “O intuito é solicitar aos vereadores que alterem dispositivos de lei para que seja natural a continuidade do nome ao passo que a rua seja estendida”, explicou Carlos.

Outras 26 ruas apresentaram conflitos de leis, segundo o Geoprocessamento. Ou seja, mais de uma lei dá nome à rua no mesmo trecho. E, ainda, 19 ruas apresentam duplicidade de nomes. “Para todos estes casos nós elaboramos uma proposta e enviamos à Câmara. Com o crescimento da cidade há uma necessidade muito grande de que estas regularizações sejam feitas”, disse.

Ainda segundo o Geoprocessamento, de um total de 2.225 ruas existentes em Dourados, mais de mil vias não apresentam qualquer problema que gere conflito em relação aos nomes.

 

AVANÇOS

Em um segundo momento, o Geoprocessamento deseja implantar o projeto para regularização dos nomes dos bairros. A julgar pela definição de bairro, a população de Dourados criou o hábito de nomear as regiões de acordo com os loteamentos que se instalam.

Outra iniciativa que caminha junto ao departamento é a instalação de placas sinalizando o nome das ruas, iniciada pela Agência de Transporte e Trânsito. Com a regularização dos logradouros, a identificação será definitiva e mais confiável ainda.

O projeto Rua Legal tem coordenação de Cibelle Doffinger e equipe técnica composta por Filipe Barbosa e Carina da Silva.

<

Copyright © Tribuna1.com - Todos os direitos reservados. Não nos responsabilizamos pelo conteúdo de sites externos.