80% dos focos de dengue são encontrados dentro de casas em Campo Grande, aponta relatório

Levantamento da Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais foi elaborado com base no índice de infestação pelo aedes aegypti.

Por:

aedes-aegypti-1

O Levantamento da Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais da Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande apontou que 80% dos focos do mosquito da dengue encontrados pelas equipes de saúde na capital sul-mato-grossense estavam em casas.

O estudo, feito com base nos dados do levantamento rápido do Índice de Infestação por Aedes Aegypti, apontou ainda que, de janeiro a outubro, 1.10 focos foram encontrados nos chamados ‘materiais inservíveis’. Ou seja, aqueles que poderiam ser descartado, mas, por algum motivo, permanecem expostos e se tornam criadouros.

No ranking dos objetos que mais servem de criadouros para o aedes aegypt está o pneu velho. De acordo com a direção da Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais, apesar de ser comum encontrar focos nesses locais, muita gente não toma o cuidado devido e deixa os pneus expostos – no caso, sem qualquer tipo de proteção.

A lista com locais que servem de criadurous para o mosquido da dengue é extensa. Segue com baldes e tambores, com predominância de 9,50% dos focos, seguidos de: caixa d’água (7,43%); vaso de planta (6,83%); vaso sanitário (4,75%); piscina (4,55%); latas (3,76%); lona plástica e ralo (3,37%), bebedouros de animais (3,27%), entre outros. A lista completa pode ser acessada cliando aqui.

A orientação da secretaria de saúde é que, apesar da queda de casos de doenças transmitidas pelo aedes – dengue, zika e chikungunya -, as pessoas continuem atentas e focadas em eliminar os criadouros. Os riscos aumentam principalmente nas épocas chuvosas, quando o acúmulo de água é maior.

<

Copyright © Tribuna1.com - Todos os direitos reservados. Não nos responsabilizamos pelo conteúdo de sites externos.